Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 14, 2010

Sonhos, uma linha direta com o inconsciente

Os sonhos têm grande destaque desde a antiguidade. Os vários povos já usavam essa ferramenta de alguma forma, inclusive como poderes premonitórios, mas só em 1900, com a publicação de “Interpretação de Sonhos”, escrito por Sigmund Freud, pai da psicanálise, que esse assunto ganhou um cunho mais científico.

Naquele livro, extremamente polêmico para a época, Freud segue um caminho completamente novo, definindo o conteúdo do sonho como realização dos desejos. Para ele, no enredo há um sentido visível considerado uma fachada, e um sentido latente que é o significado, e é este que realmente importa.

Posteriormente, Carl G. Jung lê a obra de Freud com grande entusiasmo e dá um passo além. Para ele, os sonhos não eram só “uma fachada”, mas sim a própria forma do inconsciente se comunicar, buscando sempre o equilíbrio por compensação. Por esse sistema, uma pessoa que sofre de baixa estima pode sonhar que é alguém muito importante, recebendo dessa forma o recado do inconsciente sob…

Fênix, a arte do renascimento

Conta a lenda que a Fênix é um pássaro mítico que quando morre entra em autocombustão e após algum tempo renasce das próprias cinzas. Essa fascinante ave teria também o poder de transportar grandes cargas, havendo histórias sobre ela carregar até um elefante. Seu corpo revestido de penas brilhantes, douradas e vermelho-arroxeadas, as cores do sol nascente, e com tamanho aproximado de uma águia ou um pouco maior compunham sua aparência. Alguns escritores gregos dizem que seu ciclo de vida é de 500 anos, mas há quem diga também que esse ciclo gira em torno de 97.200 anos. Ao se aproximar da morte a ave confecciona um ninho perfumado aonde vai se consumir em chamas.

A crença na ave lendária que renasce das próprias cinzas existiu em vários povos da antiguidade como gregos, egípcios e chineses, e em todas as mitologias o significado é preservado: a perpetuação, a ressurreição, a esperança que nunca tem fim. Na arte cristã, por exemplo, a fênix renascida tornou-se um símbolo p…