Pular para o conteúdo principal

Diferenças entre Psicologia e Religião



Temos um problema: onde colocar a psicologia? As pessoas religiosas, aquelas ativas e participativa de qualquer igreja, quando têm um problema pessoal, dão-se duas opoções: rezar mais ou recorrer ao pastor ou padre. Seria a psicologia inútil para elas? O crente não precisa de terapia?

Essa é uma questão de um milhão de dólares. Desde os tempos de Jung, teólogos, padres e pastores escreviam desconfortáveis a respeito do lugar da psicologia, em particular da psicanálise, no tratamento das almas, até então terreno exclusivo da igreja e seus representantes. Os três volumes de correspondência de Jung atestam a respeito.
Vejamos algumas diferenças entre as duas áreas:
  • Se o objetivo da psicanálise é, nas palavras de Freud, “trazer o inconsciente à consciência”, isto conscientizar e conscientizar-se, daí o conhecimento de si mesmo, o da religião é a relação com Deus, qualquer coisa Este seja.
  • Enquanto a religião (todas elas) dá uma identidade a Deus, pois a partir de quem é Deus que dogmas e crenças se desenvolvem, a psicanálise - em particular a junguiana - fala de imagem psicológica de Deus dentro da gente, por Jung identificado com o Self, que, por sua vez, porém, nada diz de específico e mensurável a respeito do divino. Para Jung, todas nossas experiências são de fundo psicológico pois é através da psique que nos relacionamos com o mundo e nós mesmos, algo parecido com o que disse Kant a respeito das categorias a priori de espaço e tempo através das quais conhecemos o mundo.
  • Por dar a Deus uma identidade definida, a religião estipula para o ser humano uma imagem complementar e o esforço do crente é moldar-se o mais possível à “vontade de Deus”. A psicanálise pensa em termos de desenvolvimento da personalidade, e, a junguiana em particular, visa fazer desabrochar algo que está dentro mas que sem as experiências externas não tem humus para construir-se. Daí, a identidade individual ser algo a ser descoberto enquanto o caminho do auto-conhecimento procede.
  • Enquanto a religião parte de dogmas e da palavra revelada, a psicanálise é empirica e parte da experiência e da observação/conscientização da mesma.
  • E, sobretudo, se a religão está baseada na fé, a psicanálise fundamenta-se na consciência.
O objetivo da psicanálise (Freud e Jung) é o auto-conhecimento, o qual passa pela análise do ego, de suas crenças, hábitos, estratégias, história. Para Jung em particular, pois Freud era praticamente atéu, a jornada interior leva à experiências não mundanas e não materialistas, e inclui a possibilidade da vivência do divino. Experiência esta que marca a personalidade de um indivíduo, mas não se configura para ele na forma de um dogma, de modo que não implica na adesão a uma específica instituição religiosa e doutrina.
A psicanálise não está interessada em convertir crentes e incrementar religião alguma, mas em promover a consciência individual, o auto-conhecimento humano e, eventualmente, se assim ocorrer, a experiência profunda de algo superior ao ego. Todas essas experiências são positivas porque promovem a saúde global da pessoa. Eu pessoalmente tenho convicção de que ao aprofundar-se em si mesma, uma pessoa acaba tendo a experiência de algo transcendental ou imanente (tanto faz), e que essa vivência é profundamente enriquecedora. Mas a psicologia não se importa em dar uma denominação a esta experiência, não a encaixota em uma doutrina.
Voltando à pergunta: a psicoterapia serve para o crente?
Resposta: sim.
Sim, porque os preceitos religiosos são gerais por natureza, um dogma fala a linguagem do universal. Colocar em prática uma verdade que se acredita como tal são outros quinhentos. E esse é o trabalho da psicoterapia: analisar com atenção, pegar pela mão e ver de perto onde é que está o calo que dói, e por que exatamente; é dar novos pontos de vista, oferecer perspectivas significativas, dar contexto, chão e horizonte.
Sim, porque todas as experiências, incluindo a religiosa, não deixam de ser psicológicas. Uma vez que somos seres encarnados temos uma psique assim como temos um corpo. Uma psique sadia permite uma experiência mais sadia e profunda da dimensão espiritual.
Sim enfim, porque o nível de consciência dá a tônica da qualidade da experiência religiosa que se tem. Basta olhar para a história e observar como a prática religiosa mudou: cada um enxerga de Deus o que consegue ver do degrau no qual está.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

12 maneiras de jogar energia fora...

Por mais que existam pessoas desequilibradas e difíceis nós é que somos responsáveis pelas nossas energias e cabe a cada um de nós preservá-la e administrá-la da melhor forma possível. Existem “receitinhas”, orações, banhos, cristais e um arsenal de proteção, que são válidos e eficientes até um certo ponto. Porque aquele que não assume a responsabilidade por suas venturas e desventuras sempre estará vulnerável às energias ao seu redor. Sabe por que o outro rouba a sua energia? Porque você deixa a porta aberta!!! E depois ainda diz que a culpa é do outro… Para ajudar a refletir, fiz uma listagem de doze atitudes (e olhe que a lista é imensa!) que gastam uma tremenda energia vital. Uma vez desvitalizado e sem proteção fica fácil para qualquer um chegar perto e perturbar seu equilíbrio. Use esta listagem também para pensar porque a prosperidade às vezes passa longe de você. A energia que seria usada para atrair o bem, a felicidade, o amor, o dinheiro acaba sendo gasta de …

Agradecer sempre!!!

Você sabia que o Universo se comunica conosco o tempo todo e nos envia respostas, mensagens e sinais, de acordo com nossos desejos e necessidades? Estes sinais se manifestam através do fenômeno que conhecemos como sincronicidade, ou seja, no momento em que você necessita de algo, ou de que alguma situação aconteça, aquilo se manifesta repentinamente em sua vida. Mas eles não se apresentam somente com soluções grandiosas ou espetaculares. Manifestam-se igualmente nos acontecimentos rotineiros. A prova incontestável de que você está vivendo e atuando numa parceria harmoniosa com a vida, é a presença destas sincronicidades em seu dia-a-dia. Para percebê-las, é necessário que você esteja atenta e consciente de que o Universo sempre responde, de alguma forma, a todos os seus pedidos. Se você vinha recebendo estes presentes e, de repente, eles pararam de acontecer, saiba que algo saiu do eixo em seu plano de vida..... É indício de que você se deixou perturbar por alguma forma de negativida…

עילי בוטנר ורן דנקר - בואי נעזוב