Pular para o conteúdo principal

Nossa alma tem o seu próprio relógio- Flávio Gikovate



relogio-thumb.jpg

Com um computador, a razão pode nos mostrar, em pouco tempo, onde estão nossos conflitos. Mas a mudança de atitude obedece ao tempo da emoção, lento como o crescer das árvores.
Quantas vezes já ouvi de clientes meus, depois de lhes dar alguma interpretação, ‘coisas do tipo’: “Ta bom. Mas, agora, o que é que eu faço?” ou “Como tenho de me comportar para me livrar dos meus problemas?” Estas perguntas são totalmente desconcertantes. De nada adiantam as sugestões e os conselhos se a pessoa não está pronta, preparada para ousar novas atitudes ou posturas de vida. Não adianta dizer a uma mulher angustiada, em pânico diante do fato de que esta noite receberá 15 pessoas para o jantar: “Tenha calma. É apenas um jantar, as pessoas vêm aqui para conversar e não para julgar sua competência como dona de casa”. Ela continuará nervosa do mesmo modo. Não será capaz de relaxar e se descontrair, a não ser que haja alterações na sua autoconfiança, a não ser quando ela estiver menos preocupada com o julgamento que as outras pessoas fazem dela.
Para as coisas da alma não adianta ser prático e muito menos apressado. As mudanças interiores mais substanciais não se processam de um dia para outro. O fato de a pessoa saber exatamente porque está se sentindo insegura e com medo pode provocar algum alívio. Mas não é a solução dos seus conflitos. Esse é apenas o início de um processo interior, que poderá levar anos para se consolidar. Sim, anos. Temos que nos habituar à idéia de que nosso mundo emocional não caminha na mesma velocidade da nossa razão. Existem dois tempos diferentes dentro de nós: o da razão, rápido como as operações de um computador, e o das nossas emoções, lento e sólido como o crescer e o florescer das árvores.
Quando somos pessoas honestas intelectualmente, ou seja, quando buscamos saber a verdade a nosso respeito, mesmo que ela nos pareça amarga e dolorosa, conseguimos fazer grandes avanços no plano racional, em pouco tempo. Os avanços racionais dependem da honestidade e também da acumulação de conhecimentos. Cada novo dado de aprendizado corresponde a uma peça a mais do quebra-cabeça da vida, que passa a fazer parte do nosso mundo mental. A gente vai acumulando cada vez mais peças e, de repente, nós conseguimos formar a figura que tanto buscávamos. É um trabalho de paciência, pois o processo é lento e o caminho é longo. Quanto mais conhecemos, mais chances temos de compor nossas explicações e nossas soluções.
Cada cérebro registra de um modo o mundo que nos cerca e as peculiaridades de cada mundo interior. Registra cada novo dado de conhecimento e compõe o quebra-cabeça de uma forma muito individual. Aqueles que, como eu, são amantes da liberdade não gostam de propor fórmulas prontas; preferem que cada pessoa conclua por seus próprios meios e de acordo com seus discernimento. Preferimos a “alta-costura” psicológica ao invés da “produção em massa”. As idéias e conceitos têm que caber corretamente em cada pessoa e isso só ocorre se cada um tirar suas próprias conclusões. Aos profissionais de psicologia cabe apenas revelar os dados que sua experiência permitiu acumular e ajudar as pessoas a desenvolverem a confiança na sua própria forma de ser e de refletir. Além, é claro, de alertá-las quando surgem as inevitáveis tendências para interpretações menos dolorosas, porém falsas.
Na medida em que a razão se conscientiza da necessidade de alguma mudança e compõe claras metas de onde quer chegar, inicia-se o longo processo de alterações no mundo emocional. Essas alterações dependem muito da coragem para se experimentar as situações que provocam o medo e a angústia. E a coragem vem justamente das convicções da razão. No exemplo da mulher insegura, quando recebe visitas em casa, poderá existir uma tendência para que ela evite a situação por medo. Se isso acontecer, ela nunca irá se modificar. Terá de ter a coragem de experimentar, terá de ter seus fracassos e sucessos. Terá que refletir muito sobre porque foi que ela errou. Terá que perceber que o fracasso determina uma dor muito forte, porém suportável. Aos poucos, com a repetição de situações semelhantes, ela se sentirá cada vez mais segura e confiante. Sempre terá um certo medo de que as coisas não saiam ao seu agrado e isso é absolutamente normal quando a responsabilidade é nossa e a auto-estima está em jogo. Os atores sempre ficam um pouco nervosos ao entrar em cena, mesmo quando estão há meses fazendo o mesmo espetáculo. Cada dia é um dia, e o sucesso de ontem não garante nada de absoluto para hoje.
A coragem vem de convicções fortes e definidas. Vem da razão e do esforço de entendimento de si mesmo. Ela é como uma locomotiva que puxa os vagões dos nossos hábitos, medos e inseguranças. Aos poucos conseguimos caminhar. E quanto mais caminhamos, maior se torna a nossa coragem e vontade de evoluir como ser humano. Talvez seja este o maior objetivo de nossas vidas: deixar o planeta, 70 ou 80 anos depois, um pouco melhor do que quando aqui chegamos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

12 maneiras de jogar energia fora...

Por mais que existam pessoas desequilibradas e difíceis nós é que somos responsáveis pelas nossas energias e cabe a cada um de nós preservá-la e administrá-la da melhor forma possível. Existem “receitinhas”, orações, banhos, cristais e um arsenal de proteção, que são válidos e eficientes até um certo ponto. Porque aquele que não assume a responsabilidade por suas venturas e desventuras sempre estará vulnerável às energias ao seu redor. Sabe por que o outro rouba a sua energia? Porque você deixa a porta aberta!!! E depois ainda diz que a culpa é do outro… Para ajudar a refletir, fiz uma listagem de doze atitudes (e olhe que a lista é imensa!) que gastam uma tremenda energia vital. Uma vez desvitalizado e sem proteção fica fácil para qualquer um chegar perto e perturbar seu equilíbrio. Use esta listagem também para pensar porque a prosperidade às vezes passa longe de você. A energia que seria usada para atrair o bem, a felicidade, o amor, o dinheiro acaba sendo gasta de …

עילי בוטנר ורן דנקר - בואי נעזוב

Agradecer sempre!!!

Você sabia que o Universo se comunica conosco o tempo todo e nos envia respostas, mensagens e sinais, de acordo com nossos desejos e necessidades? Estes sinais se manifestam através do fenômeno que conhecemos como sincronicidade, ou seja, no momento em que você necessita de algo, ou de que alguma situação aconteça, aquilo se manifesta repentinamente em sua vida. Mas eles não se apresentam somente com soluções grandiosas ou espetaculares. Manifestam-se igualmente nos acontecimentos rotineiros. A prova incontestável de que você está vivendo e atuando numa parceria harmoniosa com a vida, é a presença destas sincronicidades em seu dia-a-dia. Para percebê-las, é necessário que você esteja atenta e consciente de que o Universo sempre responde, de alguma forma, a todos os seus pedidos. Se você vinha recebendo estes presentes e, de repente, eles pararam de acontecer, saiba que algo saiu do eixo em seu plano de vida..... É indício de que você se deixou perturbar por alguma forma de negativida…