Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro 24, 2009

ALTRUÍSMO É DO BEM. GENEROSIDADE É DO MAL.

Penso cada vez mais na importância capital das definições rigorosas. Palavras usadas com duplo sentido, expressões que não são muito bem explicadas, tudo pode prestar enorme desserviço, contribuindo para aumentar a confusão que naturalmente existe quando tratamos de temas complexos e que têm a ver conosco mesmos. Isso sem falar daqueles que, de má-fé, gostam das palavras que têm mais de um sentido, pois elas se prestam muito bem a enganar os interlocutores.
Muitas vezes me perguntam o seguinte: quando uma pessoa age de forma egoísta nas relações domésticas, mas é muito generosa com os amigos e colegas de trabalho, como ela deve ser vista? Como essencialmente egoísta ou generosa? Respondo sempre que o que vale mesmo é a conduta íntima, dentro de casa. O generoso é o mais tolerante, mais dedicado e amoroso nas relações conjugais, com os pais e filhos, como as pessoas que moram ou trabalham com ele. Nem sempre é tão dedicado aos estranhos e, como regra, tem poucos amigos. O egoísta é agre…

O que é se colocar no lugar do outro?

Uma das operações psíquicas mais sofisticadas que aprendemos, lá pelos 7 anos, é esta, de tentarmos sair de nós mesmos para imaginar como se sentem as outras pessoas. De repente podemos olhar para a rua num dia de chuva e imaginar - o que, de certa forma, significa sentir - o frio que um outro menino pode passar por estar mal agasalhado.

Nossa capacidade de imaginar o que se passa é como uma faca de dois gumes. O engano mais comum - e de graves conseqüências para as relações interpessoais - não é imaginarmos as sensações de uma outra pessoa, e sim tentarmos prever que tipo de reação ela terá diante de uma certa situação. Costumamos pensar assim: "Eu, no lugar dela, faria desta maneira." Julgamos correta a atitude da pessoa quando ela age da forma que agiríamos. Achamos inadequada sua conduta sempre que ela for diversa daquela que teríamos. Ou melhor, daquela que pensamos que teríamos, uma vez que muitas vezes fazemos juízos a respeito de situações que jamais vivemos. Quando …

Se colocar no lugar do outro...

Somos seres únicos... temos um "universo" dentro de nós que só nós conhecemos... quando conhecemos... Então... como esperar que os que estão fora de nós (o outro) conheçam???
A maioria dos conflitos acontecem por falta de "conhecimento real" e má interpretação...
Antes de qualquer conclusão precipitada, devemos nos colocar no lugar do outro...
Saiba que esta é uma poderosa maneira de exercitarmos o "não julgamento" e a compaixão... em nós mesmos...
Sim... EXERCITAR!!! Sabe por que?
Porque quando fazemos isso conhecemos melhor a nós mesmos, pois enxergamos melhor tanto as nossas falhas como virtudes...
E assim... "criamos" possibilidades de nos melhorar como seres humanos...