Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro 1, 2009

NO QUE SE BASEIA O BUDISMO?

AS TRÊS JÓIASA raiz da palavra buddha significa despertar, tomar conhecimento, compreender. E aquele que desperta e compreende é chamado de Buda. Simplesmente isso! A capacidade de despertar, de compreender e amar é chamada de natureza de Buda. Quando os budistas dizem: eu me refugio em Buda, eles estão confiando na sua própria capacidade de compreender, tornar-se despertos. No budismo existem 3 jóias preciosas: Buda, aquele que está desperto; Dharma, o caminho da compreensão e do amor; Sangha, a comunidade que vive em consciência e harmonia. As três são interligadas, e às vezes é difícil distinguir uma da outra. Todos nós temos a capacidade de despertar, compreender e amar. Assim, em nós mesmos encontramos buda e também dharma e sangha. Buda foi aquele que desenvolveu seu entendimento e amor ao mais alto nível. Compreensão e amor não são duas coisas, mas uma só. Para desenvolver a compreensão é necessário que se exercite olhar para todos os seres vivos com olhos de compaixão. Quando …

Perder tempo

Como tem gente que gosta de perder tempo! O tempo cronológico (o do relógio) não dá para não perdê-lo, pois ele passa mesmo com nossa relutância, mas o tempo cairológico (o da importância das coisas), este é muito mal usado e, até, perdido. Não é preciso neurotizar os minutos, como se tivéssemos de dar conta deles a uma entidade implacável. Mas o tempo cairológico depende de nossas escolhas. E o conselho sábio é: não perder tempo com minudências tolas e tolices irrelevantes.

Fraqueza espiritual

São espiritualmente fracas aquelas pessoas que, diante de uma catástrofe, esmorecem, entregando-se ao desânimo; insensatas as que, diante do falecimento de um parente ou pessoa amada, mostram-se descrentes de Deus e chegam a blasfemar. As que assim procedem não têm, realmente, fé bastante para compreender a morte, afinal, conseqüência lógica da vida. Há ainda um pouco de egoísmo nessa atitude, quando acham que a morte não tem razão de ser. Blasfemando ou chorando, lamuriando ou se revoltando, nada ganha quem assim procede; pelo contrário, desgasta-se e oferece ao seu semelhante uma imagem negativa, que não deverá existir.