Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2009

Os gestos também falam

Quando as palavras calam, os gestos falam. Vivemos às vezes situações em que as palavras parecem desaparecer do nosso vocabulário. Elas ficam todas emboladas no nosso estômago, sobem até a garganta e não sabemos, não temos idéia de como colocá-las para fora. São muitas vezes quando nossos amigos mais precisam de nós. E, justamente, é aí que encontramos essa barreira. Não sabemos o que dizer, não temos explicação aceitável para o sofrimento, temos medo de falar algo que não devemos e nos quietamos. Achamos com facilidade palavras, repetidas e gastas mesmo na maioria das vezes, para expressar nossa alegria, nosso desejo de felicidade ao outro e não nos importamos se alguém já disse ou não. Pegamos emprestadas essas frases corriqueiras e fazemos delas nossa mensagem. E nossos amigos recebem isso de coração aberto, sorriso estampado, porque eles fazem também uso disso. É de praxe, é normal, é gentil, é nobre. É milhões de vezes melhor que o esquecimento. Nossa grande dificuldade é express…

A VIDA TRAZ AQUILO EM QUE A GENTE ACREDITA

Alimentar crenças negativistas é o que faz com que as coisas não dêem certo em nossa vida:"Coisa boa não vem de graça.
A vida é dura. É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que rico entrar no Céu. Sorte no jogo, azar no amor. Quanto mais eu rezo, mais assombração meaparece. Felicidade dura pouco". Essas frases são tão fortes e conhecidas em nossa cultura que já tornaram-se parte do nosso conjunto de valores. Mas, alimentar crenças negativistas como essas é extremamente prejudicial à nossa felicidade. É o que afirmam os psicólogos como Vera Lúcia Ferreira dos Santos, cujo trabalho é levar as pessoas a encontrar as crenças que as limitam, desfazê-las e colocar no lugar pensamentos otimistas. Ao acreditar nessas coisas, o ser humano cria situações que só as reforçam. "Alguém que não se acha inteligente faz um teste para conseguir emprego e fica nervoso", exemplifica Vera. "Aí, não consegue passar e continua pensando que não é inteligente" .…

O ENTERRO DO "NÃO CONSIGO"

Barry Manylow - Mandy




(CHICK MOORMAN)
Enterrando os "não consigo"Esta história foi contada por Chick Moorman, e aconteceu numa escola primária do estado de Michigan, Estados Unidos. Tomei um lugar vazio no fundo da sala e assisti. Todos os alunos estavam trabalhando numa tarefa, preenchendo uma folha de caderno com idéias e pensamentos. Uma aluna de dez anos, mais próxima de mim, estava enchendo a folha de "não consigos". "Não consigo fazer divisões longas com mais de três números." "Não consigo fazer com que a Debbie goste de mim." Caminhei pela sala e notei que todos estavam escrevendo o que não conseguiam fazer. "Não consigo fazer dez flexões.", "Não consigo comer um biscoito só." A esta altura, como a atividade despertara minha curiosidade, decidi verificar com a professora o que estava acontecendo e percebi que ela também estava ocupada escrevendo uma lista de "não consigos". Observando tudo, eu me perguntava por…

Sobre Estar Sozinho

Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o início deste milênio. As relações afetivas também estão passando por profundas transformações e revolucionando o conceito de amor.O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual exista individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, e não mais uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar.A idéia de uma pessoa ser o remédio para nossa felicidade, que nasceu com o romantismo está fadada a desaparecer neste início de século. O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar nossa outra metade para nos sentirmos completos.Muitas vezes ocorre até um processo de despersonalização que, historicamente, tem atingido mais a mulher; ela abandona suas características, para se amalgamar ao projeto masculino.A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de fazer o que eu não sei. Se sou manso, ele deve ser agressivo, e assi…

É preciso saber viver

Paolo Vallesi - La Forza Della Vita


Esperamos demais para fazer o que precisa ser feito, num mundo que só nos dá um dia de cada vez, sem nenhuma garantia do amanhã. Enquanto lamentamos qua a vida é curta, agimos como se tivessemos à nossa disposição um estoque inesgotável de tempo.

Esperamos demais para dizer as palavras de perdão que devem ser ditas, para por de lado os rancores que devem ser expulsos, para expressar gratidão, para dar ânimo, para oferecer consolo.

Esperamos demais para ser generosos,deixando que a demora diminua a alegria de dar espontaneamente.
Esperamos demais para ser pais dos nossos filhos pequenos,esquecendo quão curto é o tempo em que eles são pequenos,quão depressa a vida os faz crescer e ir embora.
Esperamos demais para dar carinho aos nossos pais, irmãos e amigos.Quem sabe quão logo será tarde demais??
Esperamos demais para enunciar as pessoas que estão esperando para atravessar nossos lábios,para executar as tarefas que estão esperando para ser cumpridas,para de…

Ser transparente

Utada Hikaru - First Love






Às vezes, fico me perguntando porque é tão difícil ser transparente? Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros. Mas ser transparente é muito mais do que isso. É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente... Ser transparente é desnudar a alma,é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que nos empenhamos tanto para levantar...

Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde! Mas infelizmente, quase sempre,a maioria de nós decide não correr esse risco. Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana. Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser...

Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas à simplesmente nos entregar e admitir que não sabemos, que temos medo! Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara que nos di…

Caminhos da vida...

M Bethania - Sonho Impossível - by Pescador








Quando cortas uma flor para ti, começas a perdê-la...

Porque murchará em tuas mãos e não se fará semente para outras primaveras.

Quando aprisionas um passarinho para ti, começas a perdê-lo...

Porque não mais cantará no bosque para ti e nem criará outros passarinhos em seu ninho.

Quando não arriscas tua liberdade para tê-la, começas a perdê-la...

Porque a liberdade que tens se comprova quando te atiras optando e decidindo.

Quando não deixas partir o teu filho para a vida, começas a perdê-lo...
Porque nunca o verás voltar para ti livre e maduro.

Lembre-se sempre: Não existe preço para a Liberdade, mas uma belíssima recompensa para quem a utiliza com desprendimento de alma ...

Ter para sempre, junto a si a Fidelidade daqueles que livres dos grilhões, se comprazem em serem seus eternos admiradores!

Quem Ama ... Liberta com a certeza da volta espontânea ao aconchego!
Sempre ganhas o que deixas e perdes o que reténs...

AUTO PIEDADE

A auto-piedade é uma doença grave e muitas vezes não apresenta sintomas. Reflita sobre isto.
A auto-piedade é um alimento venenoso, uma espécie de erva daninha que intoxica por completo o espírito, dificulta as relações e promove medo, desconfiança, solidão e melancolia. É filha do egoísmo e da lamentação, afilhada do orgulho e irmã da necessidade de aprovação e da necessidade de atenção especial.
O auto-piedoso teme o futuro e lamenta-se do passado, reclama do que não tem, não percebe a vida e não vive o hoje. Faz-se vítima, a pior possível, até se tornar único em seu sofrimento. Também tem o hábito de responsabilizar os outros pela sua dor, justificando seu estado, alimentando-se e escondendo-se no sofrimento. Quando plenamente tomado por esta toxina, e por não mais suportá-la, passa a distribui-la gratuitamente às pessoas que mais ama, através do pessimismo e do derrotismo, e às vezes, da vingança.
É bom estar atento, pois este sentimento pode tomar posse de qualquer um. É democrático…